Então que numa bela noite você resolve dormir cedo. Lê um pouco, apaga a luz, se acomoda confortavelmente na posição mais aconchegante que conhece e… começa a fritar na cama.

Dez. vinte. Quarenta minutos depois, desiste; acende a luz novamente, liga o computador numa alternativa ao choro psicopata e inexplicável que parece querer emergir do fundo do pâncreas de mãos dadas com um discurso pronto e infalível que não será pronunciado e, ainda que fosse, não seria mesmo compreendido. Você tenta com todas as forças se acalmar e convencer seu organismo inteiro de que é tudo alucinação; mas o organismo é burro, ele dói a noite inteira e não entende que você precisa de sossego, por um mês que seja [especialmente se for agosto], pra por a cabeça de volta no lugar depois dos sucessivos socos no estômago que a vida te deu nos dois anteriores.

.

.

.

Seu organismo está é pouco se fodendo pros seus hormônios descontrolados, pras suas impressões que quase nunca falham e pras certezas que você tem medo de confirmar, mas deus te livre de não descobrir.

eu ando meio assim,

Precisando de algo que não sei bem nomear: pode ser colo, pode ser abraço, consolo ou mesmo uma simples certeza. Só uma PORRA DE UMA GARANTIAZINHA de que no fim não haverá arrependimento por tentar de novo, a última vez como eu também disse da última, mas enfim.

.

.

.

Esse é uma daqueles momentos em que eu daria quase tudo pra estar errada, felizmente errada. Por que vai que eu tô e tudo isso é só desgaste? Talvez eu tenha só que lembrar mais vezes que decidi acreditar.

 

Simples assim:

eu: e sabe o que seria legal?
ele: o quê?
eu: tu aqui + vinho + cobertor + filme = eu feliz :)
ele: correção: eu aí + vinho + cobertor + filme = eu + vc felizes

Snapshot de gordinho

Gui . diz (10:44)

pessoal aqui do trabalho tá querendo ir na churrascaria, sabendo que hoje a tarde tem salgadinho

esses caras n são bem certos, só pode

Nayana Schneider disse (10:45)

huahauhauahuahahauahu

salgadinho >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>churrascaria

claro

Gui . diz (10:45)

FATO

 

***

 

Que bem esse menino me faz assim logo cedo, gente.

When you open up your pain stained eyes

From the night before when you were high
The smile upon your face tells you the truth

(Stereophonics)

*

*

*

Queria ter lembrado dessa ontem cedo, porque foi então e até um pouco mais tarde que senti várias coisas partindo-se de forma positiva depois de muito tempo em mim.

Um gelo, uma lembrança, um medo, uma alforria. Eu senti que se partiu o que já parecia sem conserto, e fica a tranquila sensação que daqui em diante não depende só de mim para que algumas coisas partidas tempo atrás sejam remendadas da melhor forma possível e voltem a brilhar em sua forma plena.

Por razões que desconheço, nossas aproximações foram sempre pela metade. Interrompidas. Um passo para a frente e cem para trás. Retrocessos. Descaminhos. E me pergunto se, quem sabe um dia, na hora certa, nosso encontro pode acontecer inteiro.

 

***

 

Caio F.; Atrasado, mas ainda assim perfeitamente descritivo e doloroso.

Outro feriado, a mesma solidão, um livro-espelho que me parte a cara e me lembra de como eu ando fodida na vida. Perfeita noite de sábado, não?

Não.

Eu tento entender minhas frustrações discutindo-as com quem não tem o menor saco pra isso, eu ponho até ponto final nas frases de efeito como se isso fizesse efetivamente efeito algum, mas no fim das contas só continuo chorando em frente ao computador ouvindo Fernanda Takai; pensando que não posso nem ligar pra uma amiga e combinar de aparecer com uma lata de leite condensado na bolsa praquele brigadeiro e uma sessão de colo terapêutico que sempre funcionou tão bem até tudo desandar desse jeito.

Entradas Mais Antigas Anteriores